Carta para o meu eterno…

Quando te foste embora … o mundo tornou-se num local sombrio e triste para morar. Cada café, cada rua, cada recanto da nossa casa, … é um reacender da chama da minha esperança. É um novo renascer de esperança de encontrar-te, ouvir-te, sentir-te.

Eu sabia que isso não era possível. Tu tinhas partido e eu, por cá, tinha ficado. Sentia um vazio dentro de mim, que mais ninguém no mundo podia preencher.

Mas sempre que o telefone toca, que batem à porta, que pronunciam os nossos nomes ou me abraçam, fazem-me reviver e voltar a acreditar que és tu, junto a mim, novamente. Que tu voltas para mim e para os nossos momentos.

Todos os teus carinhos, as tuas carícias, o aconchegar dos lençóis nas noites frias, todas as mensagens trocadas, todas as idas ao cinema, as tardes passadas só os dois, o teu cheiro, os teus abraços, os teus lábios … tudo, tudo mas mesmo tudo me faz falta. Todas as nossas discussões, birras, arrufos… me fazem falta.

Não sei viver sem ti. Não sei, mas também não quero saber.

Ninguém compreende o quanto eras importante. Eras o meu sol de verão, o meu café da manhã, a minha alegria nos momentos tristes … eras tu.

Perdoa-me por tudo o que fiz e o que não fiz, que deveria ter feito. Perdoa-me. Perdoa-me por não ter coragem de arrumar, nem sequer de tocar nas tuas coisas. Perdoa-me. Perdoa-me por te sentir, assim, mais perto de mim, mesmo sem te ver. Perdoa-me. Perdoa-me por não te conseguir esquecer. Perdoa-me.

Sei que não me quererias ver assim, mas não consigo controlar. Um dia vou conseguir visitar-te, vou-te levar algo bonito e a roupa que tu mais gostavas que eu vestisse, mas só um dia, quando estiver preparada para encarar que tu já partiste … e que não voltas. Nunca mais.

Beijo e até breve

Meu soldado, meu eterno…

PORMariana
Partilhar é cuidar!

RELACIONADOS




PELA WEB

Loading...