Carta de uma mãe que se preocupa…


Minha princesa, meu orgulho, sei que estás magoada, estás a sofrer, essa barreira que construíste nunca enganou o meu olho de mãe, estás a chorar por dentro. Não queres que te ajudem, sempre tiveste essa mania de sobreviver a tudo sozinha e eu nunca fui capaz de mudar isso mas ver-te sofrer assim, faz-me sofrer.

Sei que não entendes, talvez um dia quando fores mãe pela primeira vez venhas a entender esta minha dor, no entanto ver-te mal está a matar-me, a destruir-me. Afastaste-te de todos aqueles que te amam e se preocupam contigo. Isolaste-te do mundo e voltaste a reerguer essa barreira que afasta qualquer um de chegar ao melhor que há em ti.

Estás a perder a esperança, sentes-te inútil, sempre foste como uma bênção na vida daqueles que te rodeiam, mas hoje estás a perder a tua luz. Não sei bem o que te aconteceu, o que te fizeram ou o que levou a que ficasses assim, só sei que até esse teu sorriso enorme diminuiu, que até aquele teu brilho no olhar desvaneceu.

Estás a perder a tua essência e nem imaginas o quanto me custa ver-te passar por tudo isso novamente, sozinha como sempre.

Teimas que vais ficar bem, que vais voltar a ti, que não precisas de ninguém a teu lado, que vais voltar a vencer mas que tens de vencer sozinha, que são batalhas que fazem de ti quem és e por muito que te adore e que te queira dar o espaço e tempo que tanto precisas para seres enorme novamente, desta vez não posso permitir que chores sozinha.

Desta vez a dor está a ser demasiada, até mesmo para ti, sei que estás a tentar aguentar o mais que podes, que estás a tentar manter tudo o mais pacifico possível, mas está a tornar-se um desafio. Não consegues mais, dói demasiado.

Custa-me ver-te a sofrer, quero estar a teu lado mas de cada vez que me tento aproximar tu voltas a fechares-te nesse teu mundo. Custa-te ver os outros a sofrerem, no entanto, quando se trata de ti deixas que a dor te consuma, que te torture.

Já tentei de tudo para que não voltasses a ir abaixo, para que não voltasses a sofrer dessa maneira mas nada parece ser suficiente para te salvar. Não permites que ninguém se aproxime, nem mesmo a tua mãe que sempre olhou por ti e cuidou de ti.

Já não és a mesma e isso é o que mais me custa.