Caixão embalado ao sabor das marés…

Desço a rua, cumprimento os meus vizinhos, entro no metropolitano, sorrio para a menina que está na bilheteira e digo-lhe ‘’ Bom dia!’’. Preparo o meu psicológico para mais um dia invernoso e débil.

No metropolitano é só seres andantes, todos se cumprimentam sobre a pele rugosa macia ao toque, é como se as esticasse todas num abrir e fechar de beijos, nestas manhãs silentes e ruidosas, onde só se ouve uma mistura de vozes dóceis, é algo tão necessário como o café quentinho a escorregar pela garganta gelada.

No despertar da manhã todos esticam o braço, todos cultivam o músculo da boca e todos ficam mais aptos a enlaçar este novo dia. Os raios de sol incidem suavemente sobre o meu rosto e fazem-no lentamente cintilar como as estrelas que pairam ténues entre as esbranquiçadas leves nuvens , imóveis, tão encolhidas e brilhantes que quase que me apetece pular sobre a lua até chegar ao céu e desapegar uma. Podia também escalar pelas gotinhas que agilmente escapam do céu, mas isso implicaria conceder uma dança ao vento com os meus cabelos.

De regresso a casa, opto por ir de comboio. Mal arranca, todos fecham os olhos e cobrem-se. Parecem mortos embalados dentro de caixão abandonado ao sabor das marés.

Eles entregam-se completamente a esse espírito de sono profundo, mas rapidamente algo os puxa de novo á vida. Todos se conhecem, e todos se unem por uma soneca pacífica ao sonido das linhas por onde o comboio escorrega, e deixam que as suas raízes se enraízem no áspero e pedregoso chão da terra com a assistência de uma moça lágrima saudosa triste  e amarga.


PELA WEB

Loading...