Borboletas que Sinto !

Às vezes me pergunto, o quanto eu poderia ser feliz, se não sentisse o que sinto.
Mas a verdade é que sinto, sinto quando não preciso sentir, dói quando sinto pois é algo que o meu coração recusa. E quando abstraímos de alguém, também nos dói uma dor imensa, mas é tão vaga essa dor, que chega a iludir quem sente que é dor, quando na verdade são borboletas ansiando um local para pousar.

São brutas as borboletas. Escaqueiram a porta, arrebatem-na contra as paredes, fazem um caos com um olhar. Imagina tu, o sentimento que em mim pasce.
É duro de roer o que não quero sentir, corrói a alma numa subtileza imperceptível.
Mas é raro sentir isso e eu talvez nem dê o devido valor a um ferimento que é dono do que sofre.

Contudo, tudo implica a alma, até as minuciosas borboletas suplicam em agonia.
E eu que não padre, somente pecador, escuto a quem renego. Faço das visões clarificadas de imensas ilusões, um local plácido, algures em montes em que o sol não alvora.

PORDiogo Sousa
Partilhar é cuidar!

PELA WEB

Loading...