Às vezes o amor não chega!

Às vezes o amor não chega. Às vezes o único culpado de não ter dado certo é a vida, a sorte ou o mero acaso. Às vezes desistir não é bem desistir, é parar de insistir, é deixar ir. Às vezes teimar em não seguir em frente não é lutar pela relação, é ser egoísta. É uma chatice, eu sei, mas às vezes abdicar de alguém é a maior prova de amor que lhe podemos dar.

Porque simplesmente não estava a funcionar. Porque alguém já não era feliz como dantes. Porque é preciso muito mais do que se pensa para criar uma vida a dois. E de nada vale criticar atitudes passadas ou evidenciar erros do outro enquanto ocultamos os nossos, isso não vai fazer com que a história não acabe, só vai fazer com que acabe de uma forma muito feia, repleta de dúvidas e insultos que surgem no meio da dor de perder alguém que se ama.

Não fiques presa no passado. Não é nele que vais construir o futuro com que sonhas. É no agora, no presente. Não deixes que o teu caminho seja decidido pelas acções de outra pessoa. O mundo não vai mudar por ti, tu é que tens de mudar por ti mesma. Aprende que mereces melhor do que a tortura emocional que guardar rancor implica e aceita que a paixão da tua vida não tem de ser o amor da tua vida. Esse, quando vier, vem para ficar. Mas, antes de amares alguém, lembra-te que tens de amar-te a ti própria. É triste, revoltante e doloroso, mas às vezes o amor não chega e quanto mais depressa permitires que o teu coração saiba o que a tua cabeça já sabe mais depressa serás feliz.

PORRaquel Simões
Partilhar é cuidar!