Apenas ama…

Não tenhas medo de amar. Não tenhas medo de amar no amor, de amar na amizade ou de amar na família.  Nunca te dediques apenas a um amor porque poderás ficar só no mundo. Ama pessoas diferentes, de formas diferentes. O amor nunca é igual, não tem hora marcada, dia, mês ou ano especifico. Simplesmente ama ontem, hoje, amanhã e depois de amanhã, ama sempre. Nunca deixes de amar. Não existe mal algum em que erres com alguém ou em que alguém erre contigo. Usa os erros como lições para o teu futuro.

O que realmente importa é sentires segurança vinda de alguém, teres consciência de que se caíres, tens alguém que te irá amparar a queda, alguém te ajude a levantar, alguém que te limpe as lágrimas, te abrace e sussurre um “estou aqui”, alguém que irá por um penso nas tuas feridas… até mesmo nas mais profundas e impossíveis de curar, pois só o simples facto de alguém se importar e cuidar faz com que doam cada vez menos.

O amor é uma droga. É viciante. É quereres sempre mais e mais. É precisares de ter alguém para cuidar, para proteger, para alimentar o teu vicio. Mas tal como uma verdadeira droga o amor também chega a um ponto em que nos destrói, corrói-nos por dentro. Tempestades de ódio conjugadas com marés de amor. Puro desentendimento. É tentar largar mas ainda amar. É continuar a necessitar de alimentar o vicio mas já não ter forças para tal.

É lutar contra o vicio vezes sem conta até sentir que um dia a tempestade passou, o ódio foi esquecido, o amor purificado e um novo lugar à espera de um novo alguém. Um novo alguém que desta vez fique até à morte.