Aos novos universitários!

A vida universitária é um grande desafio para qualquer pessoa, é simplesmente um mundo e uma realidade nova com desafios, preocupações e hábitos muito diferentes dos habituais mas não é um bicho-de-sete-cabeças, ao início pode parecer difícil mas no fim é recompensador, e é garantido que estes são os melhores anos das vossas vidas.

Tudo começa pela felicidade, euforia, comemoração e a sensação de dever cumprido com a aprovação e colocação na universidade desejada, mas depois de toda a euforia começa o friozinho na barriga, e logo de seguida vem a preocupação, os receios e os medos: “como é que vai ser, como é que vai correr?”, “Será que me vou conseguir integrar?”; “Onde vou morar, com quem e como?”; “Será que vou conseguir? Será que vou sobreviver?” “Será que estou mesmo no curso certo?”, “Será que aguento isto tudo sozinho?”;“E os doutores? E a praxe como será?”…

Sim é verdade, não há coisas fáceis na entrada na universidade, tudo é novo, tudo é diferente, tudo parece um problema, por vezes até parece que estamos a ter uma crise de nervos com tanta novidade e tanta coisa para adquirir, parece que a universidade é um monstro terrível e tudo parece muito difícil desde começar a viver longe dos pais, numa cidade que por vezes não se conhece; ao ritmo e a quantidade de estudo, trabalhos e avaliações, ao desconhecimento do local onde tens de estar e chegares ao ponto de andar horas perdido num edifício a procura de algo ou alguma coisa, de não saber como funcionam e se fazem outras coisas, ao facto de te sentires sozinha/o e abandonado, até à coisa que assusta mais, a praxe e os doutores.

Mas como tudo na vida, há coisas boas e más e a entrada e a estadia na universidade também tem os seus prós e contras mas principalmente tem coisas boas, com ela a nossa vida, a nossa maneira de ser e pensar muda completamente, crescemos imenso como seres humanos, começamos a ser tratados e considerados verdadeiramente adultos e temos que saber e aprender a lidar com isso, pois essa maturidade vai estar presente em qualquer situação, e é por isso que vamos ser “obrigados” a amadurecer e crescer em muitos sentidos, seja na responsabilidade, e maturidade seja na forma como encaramos os estudos e a vida.

Com a entrada na Universidade por vezes vamos ser  “obrigados” a  sair da “toca”, da nossa  terra, e do nosso   ambiente familiar e territorial  e por isso  chegamos ao ponto de ser independentes e muito mais adultos  e  começamos a estar e viver por nossa conta e risco, não vamos  ter ninguém a controlar o que fazemos, quando fazemos e com quem fazemos, e com a maturidade e independência também vem a responsabilidade, e aí aprendemos que temos de ser nós  mesmos a responsabilizarmo-nos pelos os nossos actos e a assumir as consequências deles, pois ninguém vai estar do nosso lado  para nos proteger e defender como os nossos pais faziam, é na Universidade que entendes  e percebes realmente que  cada um é responsável por si e pelas consequências dos seus actos.

A saída da nossa “terrinha” dá asas ao conhecimento de novas pessoas, de idades, personalidades e nacionalidades variadas e muitas relações fortes de amizade se formam. Também o conhecimento de novos locais e actividades se tornam um hábito constante com a entrada na universidade.

Um dos maiores receios de todos os universitários é a praxe e associada a ela os doutores mas esses medos também se tornam uma coisa boa, e um aspecto muito positivo da Universidade. Há boas e más praxes como tudo na vida mas se nunca experimentares nunca vais saber como é ou como foi, e podes acabar por perder uma experiência única na vida. Em relação aos doutores não vale a pena muita preocupação, eles não são nenhuns monstros nem bichos feios, pois são eles que vão apoiar e “receber” todos os caloiros nessa nova etapa da vida. É a praxe e os doutores que vão ajudar na adaptação e integração na universidade, os doutores, os teus futuros padrinhos e os teus “irmãos de praxe” são como eles vão ser a tua família lá, são os teus “pais”, amigos e pilares na universidade, são eles que te guiam, que te levam a conhecer a cidade, e quando tiveres algum problema eles estarão sempre lá para ajudar. Claro que no início custa ter um doutor a impor respeito, mas esse respeito é muito útil e é ele que te vai ensinar a veres as coisas de outra forma, e ensinar que lá não és superior nem melhor do que ninguém.

Aos novos universitários só tenho a dizer que a calma é o segredo na entrada na universidade, com tempo e calma tudo se consegue. É tudo uma questão de habituação e, com o passar do tempo tudo será mais fácil. A vós, futuros caloiros, os únicos conselhos e dicas que vos posso dar são estes:

A melhor forma de tirar proveito do tempo que se passa na universidade é envolvendo-se nessa comunidade. É participando, brincando, estando sempre de mente aberta para conhecer novas pessoas e viver experiências novas, é aprendendo e por vezes arriscando um pouco, saindo da zona de conforto que se consegue aproveitar e aprender muitas lições de vida com os anos em que estás na universidade.

Conheçam e façam amizades com os doutores e veteranos, pois eles serão sempre uma boa ajuda e uma boa fonte de apoio. Eles sabem sempre mais um pouco pois já passaram pelas mesmas experiências que vocês estão ou podem vir a estar a passar, eles podem ser os vossos melhores amigos e darem as dicas sobre professores, aulas, provas e até mesmo sobre trabalhos que vocês tanto podem precisar.

Ir ás aulas, pode parecer uma dica óbvia, porém é muito comum os estudantes universitários sentirem-se tentados a evitar as aulas e dar prioridade a outras actividades que parecem mais prazerosas e interessantes no momento. Por isso, é importante manter-se sempre responsável e comparecer às aulas, prestando atenção ao conteúdo e a matéria passada pelos professores e fazendo as anotações e as tarefas necessárias, desta forma ninguém correrá o risco de ter que resolver problemas com o curso no futuro.

Aprender com os nossos erros, e não deixar que eles tirem o ânimo e a força de vontade que se tem. Ninguém é perfeito, toda a gente erra o importante é aprender com eles e com a situação. Devemos analisar o que foi feito de errado para não repetir a mesma atitude e o mesmo erro. Nunca tenham medo de errar, nunca desistam de nada e lutem sempre por aquilo que querem e desejam.

Na universidade os livros para ler são muitos, há tarefas e mais tarefas para se fazer num curto período de tempo, os trabalhos por vezes longos deixam os alunos desesperados até a última hora e várias provas e exames de diferentes matérias coincidindo no mesmo dia podem por vezes ser uma realidade. Vão existir horas e dias em que dá vontade de atirar tudo para o ar e desistir, mas tudo melhora com a adaptação ao ritmo das aulas. O mais importante é não desesperar e saber dar prioridade as tarefas às coisas mais fundamentais em determinado momento. Devemos saber como administrar e organizar o tempo para conseguir concluir todos os projectos dentro do prazo, para descansar e relaxar. Há sempre tempo para tudo, seja para estudar, para ir tomar café, para sair ou até mesmo só para espairecer as ideias, o importante é organizar o tempo da melhor forma possível para ninguém sair prejudicado.

A universidade pode parecer que é terrível mas os anos que lá passas, vão ser sem dúvida os melhores anos da tua vida e podes ter a certeza que lá vais fazer amigos para a vida, por isso não te preocupes muito e aproveita cada momento da melhor forma possível, pois um dia podes vir a arrepender-te de não o ter feito como devias e querias.

PORJoana G.Torres
Partilhar é cuidar!