Antes assim…

Lindo. Não havia palavras para te descrever, parecias perfeita com as tuas imperfeições. As tuas historias, os teus sonhos, desejos, viagens e aventuras, desgostos e amarguras, alegrias e desilusões. O mundo parecia estar a teus pés. O que foi que aconteceu…

Iludi-me com palavras e um sorriso, uma beleza rara, pinturas abstractas, um conjunto de contos cheios de ilusão, magoa e dor, alegrias e vontades… Quis ter certezas que realmente era como tu dizias, lutei, deixando de lado sonhos e os ideais, corri como uma criança, sem pensar em consequências dei tudo para uma coisa que tanto queria, alguém do meu lado, a nossa casa, uma família, felicidade…. Que mais poderia pedir…

Mas não, fui enganado, intrujado, revoltado batalhei pois, não poderia acabar assim, pus de lado tudo o que me diziam e segui em frente.

O que e que eu fiz?
Porque eu?
Onde foi que errei?

Não podia ser verdade, o meu, o dela, o nosso mundo estava a desmoronar-se, por completo… E eu continuei a lutar! Construí castelos, que a pouco e pouco foram destruídos por palavras, actos e omissões, por olhares, por silêncios.

Eu falhei! Admito!
Mas como e que posso ter falhado?

Eu dei tudo por tudo. Dei amor, carinho, proporcionei momentos a dois únicos, fiz vontades…

Aceito… Aceito a derrota.
Mas a dor? Porque esta dor?

Cai no mais profundo poço, de onde não queria sair mais. De onde deveria ter ficado e nunca mais ter de lá saído.

Com o tempo, com algumas palavras, a dor foi se consumando, e eu calejei. Foram horas, dias e meses sem a tua presença. A saudade, de tudo aquilo que um dia foi lindo, de planos em comum. O tempo passou e a vontade de pelo menos ver, trocar palavras, era maior que tudo, fui fraco e corri novamente ao primeiro chamamento.

Perguntou me: de que tiveste saudade?
Respondi:uauhh noites e noites sem dormir… Acho que já não sei qual é o sentido dessa palavra. Foi uma das palavras que andou de mão dada comigo o tempo todo… Tive saudades tuas, de alguém que me recebesse em casa, de alguém que me beijasse, que cuidasse de mim quando estive doente, que me abraçasse, que me tocasse. Até mesmo das nossas discussões eu tive saudades…

Após uma longa conversa e de dois dias passados, discutimos, devido ao passado, as palavras ditas, tudo!

Não queria acreditar no que estava a ver.

Os olhos dela enquanto discutíamos, via-se ódio, vontade de vingança, revolta…

Nos olhos dela vi-me a reviver o passado, com palavras amargas, cheias de ódio, na voz sentia-se a revolta.

Não quero isto para mim. Eu já lá estive e não vou voltar novamente para lá.

Prefiro ver-te longe e feliz do que comigo e magoando-nos.