Amor ao Infinito!!!

Ao me ver partir tu chorou – e como chorou. Eu fugi pelas entrelinhas das suas frases enquanto você declamava o seu amor…corri. Corri da possibilidade de viver na corda bamba que é o amor. Corri de você; corri de pavor. E viver colado, namorado, casado, amado…não é pra mim e talvez nem seja pra você. Mas a nossa carência nos joga contra o poço dos sentimentos onde d’ali ninguém escapa sem trazer consigo uma cicatriz. Tua cicatriz sou eu mas, me desculpe, tu não és a minha e nunca será. Pois sou amor passageiro, sou amor de viagem, sou amor de férias, sou amor à primeira vista e você, ah…você é amor ao infinito. O seu infinito não cabe na minha semana, pois semana que vem, outro amor ao infinito já virou meu amor de férias e você será amor à deriva. Pois amo intensamente e vivo pra amar, e eu quero dar esse amor a quem quiser passear comigo de férias pelas lindas idas e vindas da vida, pra deixar uma memória, pra deixar um arranhão… Arranhão na alma.

A síndrome de Don Juan corre pelas minhas veias e não te magoar nunca esteve na minha lista de coisas a serem feitas. Eu sabia desde o início da semana em que se iniciava o seu infinito em uma ilusão com final marcado. Marcado por mim e por você, pois me enjoo tão fácil das pessoas que nem posso dizer que a culpa é minha, você é que não foi capaz de transformar meu amor à primeira vista em amor à primavera.

Nem sempre fui assim, nem sempre tive a necessidade de ter tantas companheiras, tantos abraços e tantas companheiras ao luar.

Quem eu queria eu não posso e vivo na ilusão de que alguém um dia irá poder sobrepor a saudade que tenho dela e, mesmo assim, a cada semana acabo percebendo que nunca ninguém irá se encaixar tão bem nas minhas manias e gostos, nas minhas frases e abraços…

E assim eu vou levando, deixando amores à deriva e corações partidos por onde eu passo, na esperança de um  dia descobrir porque é que o meu amor infinito, pra ela foi apenas um amor de verão

PORVictor Brandão
Partilhar é cuidar!