(…) a uma amizade que já foi muito forte mas que agora não resta nada!

Éramos inseparáveis, onde uma estava, a outra também estava e toda a gente sabia disso, sabiam que eram as melhores amigas, nenhuma de nós teve culpa, só devíamos não ter deixado o tempo corroer a nossa amizade, sei que para ti eu era apenas uma amiga que podia ser facilmente substituída por outra, mas para mim tu eras em quem eu confiava e me apoiava e que nunca daria para substituir porque simplesmente as nossa ligação não era substituível, tudo o que passamos e vivemos juntas não podia ser apagado.

Conhecias-me como ninguém, com meras palavras sabias quando estava mal e bastava apenas um olhar para eu saber o que se passava contigo, partilhamos segredos e olhares que mais ninguém entendia e isso deixava as pessoas desconfortáveis ao nosso lado, mas eu só me sentia bem contigo, protegida sei que me ias sempre proteger, olhar por mim e não deixar que ninguém me magoasse, recorria a ti para todas as minhas decisões e massacrava-te com todos os meus dilemas, sei que me ias ouvir sempre e tentar sempre arrancar-me um sorriso, contava contigo para tudo.

Lembras-te de todos os nossos risos em coro, as nossas histórias e as nossas confidências? São agora apenas isso lembranças de uma vida passada, de uma amizade já acabada, lembras-te termos elaborado um plano futuro de uma vida conjunta?” Eu estarei lá para sempre para ti tal como tu para mim” são apenas promessas passadas, planos que ficaram na gaveta à espera de um dia serem recuperados, mas há coisas que não se recuperam, simplesmente as coisas não voltam a ser como eram, por muito que queiramos há um vazio um espaço vazio no meio que nem com uma ponte se iria recuperar.

Às vezes bate a saudade de nós, de te ter comigo, de todas as fotos que tiramos, de todas as festas de pijama que fizemos, de todas as vezes que saímos e acabavas por dormir em minha casa, dos momentos que passamos, do meu riso contigo, de ouvir o teu e de ter aquela vontade de te contar tudo, de te ouvir a falar de coisas banais. Às vezes penso o que aconteceu para tudo ter ficado assim? Quando é que nos afastamos? E foi culpa de quem? Minha? Tua? Tenho saudades de momentos mas acho que é apenas isso saudades das nossas aventuras e conversas, crescemos e infelizmente não o fizeste ao meu lado.

Apesar de tudo, e apesar de nos termos perdido, obrigada por tudo.

PORDaniela Lopes
Partilhar é cuidar!