A Loucura De Namorar Uma Escritora!!!

Se encantares uma escritora, corres o risco de te veres descrito numa das suas páginas. Podes encontrar uma frase solta tua que originou uma história. Podes ver uma personagem que é a tua cara numa crónica qualquer. Mas nunca terás a certeza de que é sobre ti/para ti, a menos que ela o diga por livre e espontânea vontade.

Se magoaste uma escritora, a qualquer momento podes ver-te sendo assassinado com requintes de crueldade, como uma faca no meio da barriga, que não mata de vez, mas faz jorrar sangue e costura uma boa cena de morte enquanto o vagabundo arrepende-se dos próprios pecados e até dos pecados da humanidade.

Se magoaste uma escritora podes ser obrigado a ler tudo o que aconteceu acompanhado de uma grande dose de drama, o que pode fazer-te experimentar sensações de culpa, raiva, ou até graça, se fores um idiota. Talvez sintas uma onda de ódio vindo para cima de ti, porque as leitoras são fiéis e vão passar odiar-te pelo que fizeste com a escritora. E tu não cometerás a asneira de tirares satisfações, não é mesmo? (Isso pode originar outro texto, olha o perigo!)

Se beijaste uma escritora, podes saber que aquele beijo vai ser retratado uma hora ou outra, cheio de suspiros, adjetivos, pensamentos que não fazias ideia que ela teve e amor, muito amor. Ou podes ser retratado como aquele beijo sem graça que ela se repudiou por anos. Ou ainda, o que é pior: podes não ser retratado hora alguma. Imagina só, ser tão insignificante que nem conseguiste dar um sopro de inspiração para a escritora. Olha, se não serves nem de inspiração para uma escritora, é melhor afastares-te.

Se fizeste uma escritora apaixonar-se por ti, aguenta. Vais receber testamentos? Sim! Vais receber frases lamechas de amor? Sim! Vais receber mensagens de madrugada com palavras talvez desconexas? Sim! Vais ter suspiros? Bastantes, até. Vais ter uma escritora a escrever mil vezes sobre a mesma coisa? Certamente. Os leitores apaixonados deixarão levar-se pela onda. Os que não estão apaixonados seguem em frente.

Se te divertiste com uma escritora, qualquer dia a vossa aventura será publicada. Muitos vão rir, muitos quererão saber se aquilo de facto aconteceu. Vão querer saber se és real. Pode ser que a escritora nunca confirme a tua existência. Nao vais querer estragar tudo ao revelares a tua identidade, não é mesmo?

Não namores uma escritora se não quiseres que o mundo saiba da tua existência. Eu não gostaria de ser o homem em quem a Adele inspirou-se para escrever Someone Like You. Imagina só: a mulher foi humilhada, tratada como uma cadela, de repente ela transforma-se, escreve uma música, conta para o mundo inteiro como foste cruel ao abandoná-la de coração partido. Eu já odiei esse homem um dia. Porque a Adele é amiga, sabes? Nós mulheres tomamos as dores das amigas como nossas. E ela ainda ganhou muito dinheiro com isso. Uma escritora irá tirar proveito dos corações partidos dos outros, mas sobretudo, do dela.

Ou podes namorar uma escritora com todos esses sérios riscos e tornares-te imortal na história, num livro, numa biblioteca (ou pelo menos enquanto existirem blogues e todas as demais redes sociais).