À deriva…

Sabes o que é acordar e não querer sair da cama porque sabes que tens de encarar o mundo?

Encarar o mundo implica teres de fingir que está tudo bem porque se mostras que não estás, vão fazer-te perguntas, vão passar-te a mão no ombro e isso vai custar mil vezes mais do que se passares o dia a fingir..sabes isso o que é, sabes?

Sabes o que é procurar um lado bom em todo o mal que nos acontece? E o que é estar sozinho, sabes?

É acordar e sentir falta do que tinhas.

Sentir cheiros que te lembram sítios ou pessoas e os teus olhos não aguentarem essa pressão.

Tinhas tudo ali não era? Agora finges que continuas a ter para te conseguires aguentar todos os dias.

Onde está a família, o namorado, ou cão, o gato e as tartarugas?

Não estão.

São todos estes espaços agora vazios, que te magoam…mas também é por ansiares pelo dia em que os voltas a ter que continuas aqui de pé, todos os dias, por mais que seja difícil com um sorriso na cara.

Não escondo, falo muito desses espaços que agora a minha vida tem, e falo deles com muita frequência até, contudo, não quer dizer que não magoe, porque magoa…magoa tanto.

Há pessoas que não fazem ideia da falta que fazem, da quantidade de vezes que pensamos nelas, que falamos naquilo que fazem ou fizeram.

Faço muito isso. Talvez seja uma forma inconsciente que eu arranjei de mantê-las perto ainda que exista um oceano pelo meio.

E todos os dias são difíceis longe delas, todos os dias querias tê-las contigo. Pessoas que faziam parte do teu dia-a-dia e que até à bem pouco tempo pensaste nunca mais voltar a perdê-las.

No entanto, terás novamente de voltar a “casa” no fim de cada dia..mesmo sabendo que ninguém estará à tua espera. Porque sim. Porque é a vida, e porque acreditas muito que um dia as coisas vão deixar de ser como são e vais deixar de ter longe quem queres ter perto.