2017, não desistas de nós…

Acabámos de deixar para trás mais um ano. E com ele, muitas conversas de café entre amigos ficam guardadas. No entanto, apesar dos votos de familiares, amigos e conhecidos para que tudo corra pelo melhor, mensagens positivas para este novo ano que acaba de chegar, há coisas que o passar dos anos não apaga. Há vontades que não mudam.

São cada vez mais as pessoas, os amigos e conhecidos, que partilham vontades de ir para fora de Portugal. Uns que já foram e que por lá ficam outros que entretanto regressaram. Uns que planeiam ir este ano. Mesmo que seja para estudar, o objectivo é arranjar um emprego melhor lá fora.

No outro dia ouvi a minha mãe falar com alguém ao telefone e comentava que esperava que eu não fosse para fora de Portugal. Sem que eu nunca tenha expressado essa vontade. Não quero ir e espero, muito sinceramente não ter de o fazer.

Não quero com isto dizer que pense inside the box, mas temos tanto potencial aqui no nosso cantinho à beira mar, no nosso Portugal. Porque sair?

Porque não somos valorizados. Porque a nossa vida, dos jovens, não passa de estágios e de empregos mal pagos. Se queremos trabalhar nas nossas áreas ou optamos pelos maravilhosos estágios ou fazemos o trabalho de alguém que, à partida, é mais competente do que nós e, no entanto, recebemos menos de metade do que os superiores. E, se tivermos sorte, ainda levamos uma palmadinha nas costas.

A história repete-se este ano, não importa que seja novo ou usado. Já muitos voaram do ninho e este ano muitos outros irão.

Por isso, 2017, não desistas de nós jovens. Não desistas da Humanidade. Caso contrário, nem lá fora conseguiremos vingar.

Com isto vos desejo que este ano seja maravilhoso. E deixo na lembrança que não vale a pena desejar, à que fazer, mexer, trabalhar, para que algo de bom realmente aconteça. Por isso se ainda procuras o teu lugar no mundo e acreditas que ele seja lá fora, força. O meu é aqui. Pelo menos enquanto a vida deixar.

Feliz ano novo.